Técnico do Lobão fala sobre os próximos jogos do Pelotas 


”São seis jogos e seis decisões. Precisamos do resultado, então temos que ter em mente que podemos fazer jogos bons fora de casa também”. Com estas palavras, Luiz Carlos Winck respondeu a primeira pergunta dos repórteres na entrevista coletiva desta sexta (28), na Boca do Lobo. Afinal de contas, a intertemporada do Pelotas chegou ao fim: a equipe enfrenta o Aimoré no domingo (1º), às 17h, abrindo o segundo turno do Gauchão 2020.
Para a partida no estádio Cristo Rei, em São Leopoldo, o comandante azul e ouro passa por problemas visando a montagem do time. ”Estamos com dificuldades na questão dos zagueiros. O Felipe Chaves voltou a sentir e o Negretti segue no DM. O Wendell está inteiro, assim como o Douglas (Zielke) e o Pedrão, que chegou agora e tem muita personalidade. Confio em qualquer um que iniciar a partida”, comentou Winck.
As três semanas livres propiciaram a evolução coletiva organizada pelo treinador. Sobre isso, Winck explicou as principais questões a serem melhoradas: ”Procurei trabalhar muito a compactação, a transição e a posse, com movimentos rápidos na frente. Criamos alternativas de aspectos ofensivos, sempre avaliando o adversário. Esperamos desenvolver um jogo seguro, mas a equipe nunca vai baixar linhas, pelo contrário, vai buscar pressionar em zonas médias e altas”.
Pensando em qualificar a performance, Winck também destacou a necessidade de reconhecer as falhas: ”A comissão passa confiança ao grupo para que eles façam o jogo acontecer com a bola e não errem. A cobrança é grande, mas ao mesmo tempo procuramos transmitir tranquilidade. No dia a dia a gente busca força e resistência para qualificar o que já tínhamos. O time precisa ter personalidade forte e não se acovardar com o adversário”.
O grupo do Lobo treina pela manhã deste sábado, almoça e em seguida viaja rumo a São Leopoldo.
Fonte: Gustavo Pereira | AI ECP