ROBERTO RECART COMEMORANDO Roberto Recart exalta parada para recuperar fisicamente os jogadores mais desgastados do plantel do Pelotas.

Em sua quarta edição de Divisão de Acesso, o preparador físico do Pelotas, Roberto Recart, vê o grupo mais consistente para escrever uma história com final feliz – diferente do que ocorre nos anos anteriores. “Hoje, quando tem uma ausência, eu não perco o sono. Porque quem entra tem também qualidade”, afirma. Recart destaca a importância de uma semana e meia de preparação para o primeiro jogo decisivo com o Esportivo, que será domingo, em Bento Gonçalves.

Trabalhando no Pelotas desde 2010, mas como preparador físico da comissão técnica permanente desde 2015, Roberto Recart viu por três vezes a expectativa do acesso se transformar em decepção. Agora, como principal diferença, ele aponta a força do grupo. “Se não jogar o Giancarlo, por exemplo, o Giovane Gomes entra e dá a resposta. Isso ocorre em todas as posições, porque o departamento de futebol trabalhou muito bem. E o Pelotas só tem a ganhar com isso”, afirma.

PREPARAÇÃO – O intervalo de 11 dias entre o jogo com o Lajeadense e o diante do Esportivo foi uma dádiva para a comissão técnica do Pelotas. “Primeiro serviu para dar um descanso aos jogadores. O Jarro e o Tom sentiram muito o ritmo do jogo passado, até porque algumas valências só adquiridas com o ritmo de jogo. Também houve tempo para tratar os jogadores lesionados”, ressalta Recart.

Se o jogo fosse realizado neste último fim de semana, o técnico Paulo Porto não teria condições de contar com Giancarlo e Germano, que sentiram lesão na partida passada. O centroavante deve volta a trabalhar nesta semana. Já o volante depende de avaliação médica.

DM