Xavante estreia na Série C com empate


Sabe aquela velha máxima de que o futebol nem sempre é justo? Pois bem, ela se repetiu na noite desta segunda (11), no Bento Freitas. Um amplo domínio Xavante diante do Manaus, na estreia rubro-negra na Série C 2022. Porém, no placar, um a um que não traduziu o volume ofensivo dos comandados do técnico Jerson Testoni.

Deu gosto de ver o Brasil jogar. Ofensivo, guerreiro, concentrado. A primeira mostra rubro-negra na Série C dá clareza de que o clube quer – e muito – o acesso à segunda divisão nacional.

Com a bola rolando, já aos 4 minutos, a bola sobrou no pé de Karl que, olhando o gol vazio, de fora da área, tentou concluir de primeira. A bola não teve o destino desejado. Aos 12, depois da zaga do Manaus afastar mal, foi a vez de Joanderson levar perigo, mas o atacante Xavante não conseguiu a conclusão. Aos 17, a torcida, que estava no prédio ao lado da Baixada, se empolgou com a cobrança de escanteio de Marcelinho na cabeça de Helerson, que acertou a trave direita do goleiro manauara.

Aos 29, um lance que não precisaria ter na história do jogo. Cobrança de lateral, a bola ficou livre para Silvano abrir o placar. O Brasil respondeu aos 33, quando França aproveitou rebote e bateu pra fora. Dois minutos depois, lindo lançamento de Karl para Marcelinho que toca por cima do goleiro e quase empata o jogo. Aos 37, mais uma vez Helerson cabeceia com perigo.

Na etapa final, o Brasil começou martelando. Marcelinho ia recebendo cruzamento na segunda trave, mas Claudinho conseguiu afastar. Aos 8, foi a vez de França tentar o cruzamento e ver mais uma vez Claudinho impedir o gol Xavante. No minuto seguinte, bola na área, Paulo Vitor não consegue o cabeceio, mas Karl devolve a bola para a área. França ia marcando o gol, mas Rayne afastou.

Aos 10, Ibiapino foi expulso em lance no alto com Alemão. Com perigo, aos 15, o Brasil mais uma vez quase chegou ao empate. Marcelinho invadiu a área e chutou cruzado. Na segunda trave, Vini Peixoto desviou para fora. Aos 30, Alemão arriscou de longe, com perigo, mas a bola saiu pelo lado do gol.

Aos 37, Léo Ferraz recebeu a bola na área e, quando ia concluir, parou no pé alto do jogador adversário. Apito na boca e braço apontado para a marca da cal. Pênalti para o Brasil. Marlon, com toda calma e categoria, bateu com precisão, rasteiro, aos 42, e empatou a partida na Baixada.

Foi o último lance de perigo em um jogo de total domínio Xavante, o que deixa a Maior e Mais Fiel esperançosa para a sequência da Série C. O Brasil, com o primeiro ponto ganho, está na oitava posição e agora vai até Campina Grande, no próximo domingo (17), às 17h, quando enfrenta o Campinense.

Melhores momentos